Categoria: Sem categoria

8 de outubro de 2018

Foi realizado, no dia 03 de outubro, o 1º Encontro de Especialistas no Instituto Nere, em São Paulo. O evento, foi uma grande oportunidade de falarmos sobre o tratamento da distonia e dor neuropática. O Instituto reuniu médicos, pacientes e formadores de opinião. A possibilidade de trocar ideias e conhecer a vivência de pacientes e profissionais frutificou na ocasião perfeita para estreitar laços e absorver conteúdo. Aproveito o comunicado para agradecer a todos os envolvidos pelo carinho e dedicação dispensados a este encontro que já é o prenúncio de muitos outros.       Se interessou pelo tema? Tem vontade de conhecer o Instituto Nere ou participar de eventos como esse? Envie um e-mail para contato@distoniasaude.com contando-nos suas expectativas e motivos, vamos bater um papo e quem sabe nos conhecemos na próxima reunião. 

Até lá!

1 de outubro de 2018
Credito:Arquivos de Neuro-Psiquiatria 58(2B) · June 2000 Antonio Pedro Vargas 29.88 – Rede Sarah de Hospitais de Reabilitação. Francisco Javier Carod Artal 40.75 – Raigmore Hospital, Inverness, UK, DEL NEGRO MARIA CRISTINA RODRIGUES MAIRA PINTO CAUCHIOLI D

Postado em Sem categoria por Administradora
31 de agosto de 2018

                      O bloqueio do nervo occipital é útil no diagnostico e tratamento da neuralgia occipital ou cefaleia cervicogênica. Esta técnica é também útil para produzir anestesia cirúrgica na distribuição dos nervos occipitais maior e menor para remoção de lesão e reparo de laceração.

Anatomia clinicamente relevante

O nervo occipital maior é formado por fibras do ramo dorsal primário do segundo nervo cervical e, em menor extensão, por fibras do terceiro nervo cervical. O nervo occipital maior perfura a fáscia logo abaixo da linha nucal superior junto com a artéria occipital. Ele inerva a porção medial do couro cabeludo posterior até o ápice. O nervo occipital menor é formado por ramos primários ventrais dos segundo e terceiro nervos cervicais. O nervo occipital menor transita numa posição mais alta, ao longo da borda posterior do músculo esternocleidomastoideo, dividindo-se em ramos cutâneos que enervam a porção lateral do couro cabeludo posterior e a superfície cranial do pavilhão de orelha.

 

Técnica

O paciente é colocado