Categoria: Tratamentos Alternativos

28 de agosto de 2018

O traumatismo cranioencefálico (TCE) destaca-se em sua significância entre mortos e feridos, sendo uma das lesões mais frequentes. Os acidentes configuram um problema de saúde pública no Brasil, levando a impactos significativos na morbidade e mortalidade da população.O traumatismo cranioencefálico pode ser definido como qualquer agressão que acarreta lesão anatômica ou comprometimento funcional do couro cabeludo, crânio, meninges ou encéfalo. De forma geral, encontra-se dividido, segundo sua intensidade, em grave, moderado e leve. Os TCEs são considerados como processo dinâmico, já que as consequências de seu quadro patológico podem persistir e progredir com o passar do tempo. Várias literaturas corroboram que os adultos jovens e do sexo masculino predominam como vítimas de TCE, entretanto é importante destacar também um número importante de vitimas crianças sendo a principal causa de afasia na infância. Os idosos também encontram nas estatísticas das vítimas de TCEs, porém os adultos jovens predominam. As principais causas dos TCEs são:

  • Acidentes automobilísticos
  • Atropelamentos
  • Acidentes ciclístico ou motociclísticos
  • Agressões físicas

25 de agosto de 2018

Olá pessoas, boa tarde! O vídeo de hoje é bem interessante, de acordo com a Dra. Rose não é a coluna que sustenta o corpo, e sim, a boca. Assista o vídeo para se encantar com esta informação! Siga nas redes sociais: https://www.facebook.com/drarosemeire… Instagram: https://www.instagram.com/dra.rosemei… https://youtu.be/QHKIjLaM42Y?t=6

2 de agosto de 2018

A Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos, agência para controle de medicamentos, aprovou na última semana a tafenoquina (Krintafel), primeiro medicamento de dose única para “cura radical” da malária, causada pelo Plasmodium vivax em pacientes com ≥ 16 anos, que estão recebendo terapia antimalárica para infecção aguda. A droga foi desenvolvida pela GSK em parceria com a Medicines for Malaria Venture (MMV), como uma alternativa à primaquina, utilizada no tratamento da recidiva da malária e que pode causar anemia e mal-estar. Para a aprovação da nova opção terapêutica, foram realizados três estudos randomizados, duplo-cegos, que testaram a tafenoquina em uma dose única de 300 mg em mais de 800 indivíduos. A eficácia foi semelhantes à da primaquina. LEIA MAIS: Malária – o que você precisa saber sobre a profilaxia para viajantes Contraindicações A tafenoquina é contraindicada para pacientes que são alérgicos à tafenoquina ou outros agentes contendo 8-aminoquinolina, e para aqueles que são deficientes em glicose