Fadiga profunda é mais que cansaço

29 de outubro de 2018

A fadiga é um sintoma comum associado à distonia e um sintoma mais frequente a cada ano. O termo “fadiga” por si só não faz jus ao termo. É muito fácil relacionar a fadiga ao cansaço ou ao excesso de trabalho ou a dores musculares após trabalho físico pesado. Eu tive essas experiências e nenhuma delas se compara à fadiga relacionada à distonia. Então parei e fiquei buscando outra palavra que definisse melhor o que queria dizer ao usar o termo “fadiga”. Assim, vou usar o termo “fadiga profunda”.

Acho que a fadiga profunda é diferente em sua intensidade e de sintomas não motores.

A fadiga profunda envolve todos os músculos, às vezes até os involuntários. Eles estão todos cansados ​​e fracos e, no meu caso, também com dor. Se me exercito ou estou muito estressada, então esses grupos musculares vão para um nível maior de dor. Na fadiga profunda, é comum que eu tenha níveis de dor entre oito e nove (eu associo o nível oito com lágrimas nos olhos). O pior é que ao mesmo tempo, as emoções se tornam muito mais intensas, quase esmagadoras e difíceis de administrar. A energia mental é usada para controlar a dor e tentar “controlar” um pouco as contrações/movimentos involuntários, deixando pouca energia para fazer qualquer outra coisa, eu fico bem irritada, choro facilmente, perco o “controle” rápido.

Minha tolerância a duração da fadiga profunda está aumentando lentamente. Atualmente, minha fadiga profunda dura entre uma a seis horas, normalmente é de dia, mais tem dias que independe. (antigamente me sentia assim quando não dormia bem, hoje em dia sinto-me cansada e sem forças, mesmo após ter uma boa noite de sono). É como arrastar uma bola e uma corrente de ferro durante essas horas.

Essas coisas parecem piorar ainda mais a fadiga profunda:

  • Sedentarismo e inatividade
  • Excesso de atividade física ou exercício muito difícil ou por um período muito longo
  • Hábitos alimentares pouco saudáveis e dieta não balanceada (exemplo: comer muita proteína animal)
  • Não descansar quando necessário
  • Sensação de frio
  • Stress
  • Ansiedade excessiva
  • Estar doente com alguma virose
  • Falta de hidratação
  • Falta de medicação

Obviamente, evito o que precede os sintomas, mais eu nem sempre consigo. Descanso e sono são muito importantes. Mas existem algumas dicas e medidas que podem ser tomadas independentemente do diagnóstico e que servem para tratar e aliviar o sintomas. Veja:

  • Procurar dormir horas suficientes todas as noites
  • Ter uma dieta saudável, balanceada e beber bastante água durante o dia
  • Fazer exercícios regularmente
  • Aprender e desenvolver maneiras e técnicas de relaxamento (exemplo: ioga e meditação ou simplesmente ficar quietinha até passar)
  • Procurar manter uma agenda pessoal e/ou profissional equilibrada, a fim de evitar estresse no seu dia a dia
  • Evitar o consumo exacerbado de álcool, nicotina ou drogas
  • -Evitar consumir estimulante, como a cafeína (ele só piora o quadro e tende a piorar a fadiga a longo prazo).

Especialistas que podem diagnosticar a fadiga:

  • Clínico geral
  • Cardiologista
  • Pneumologista
  • Psiquiatra
  • Psicólogo
  • Endocrinologista
  • Neurologista clinico
  • Gastroenterologista
  • Nutricionista
  • Angiologista
  • Otorrinolaringologista

Estar preparado para a consulta facilita o diagnóstico e otimiza o tempo. Dessa forma, você já pode chegar à consulta com algumas informações:

  • Uma lista com todos os sintomas e há quanto tempo eles apareceram
  • Histórico médico, incluindo outras condições que você tenha e medicamentos que você toma com regularidade
  • Se possível, peça para uma pessoa te acompanhar

O médico provavelmente fará uma série de perguntas, tais como:

  • Como você poderia descrever a fadiga que sente?
  • Ela é um problema comum?
  • Com que frequência você se sente cansado ou indisposto?
  • Geralmente a fadiga vem acompanhada de outros sintomas? Quais?
  • Você já tomou alguma medida caseira para aliviar a fadiga? E funcionou? O que você fez?
  • Você já se auto medicou para tratar a fadiga? O que você tomou?
  • Você já foi diagnosticado com alguma outra condição de saúde física? Qual? Já iniciou tratamento? Que tipo de medicamentos você toma para essa condição?
  • Você já foi diagnosticado com alguma outra condição de saúde mental? Qual? Já iniciou tratamento? Que tipo de medicamentos você toma para essa condição?
  • Você tem feito atividades físicas? Com que frequência?
  • Você teve alguma alteração de apetite recentemente?
  • Você faz acompanhamento psicológico?
  • Você toma algum tipo de medicamento? Qual? Com que finalidade?
  • Você costuma se sentir fadigado durante todo o dia ou durante algum momento específico do seu dia?
  • Como é sua rotina de sono?
  • E sua rotina no trabalho e nos estudos, como é?
  • Você tem problemas de relacionamento ou com sua família?
  • O que você acha que está por trás da fadiga?

Eu sou uma pessoa muito ativa, mas a fadiga profunda só melhora com descanso. Ficar sem fazer nada e “descansar” não é da minha natureza, no entanto, quando a fadiga profunda me atinge, o melhor remédio é fazer exatamente isso – então paro! Me limito a um dia de descanso físico, muito raramente dois dias (geralmente depois de algum evento estressante). Eu também acho que a mente deve descansar com o corpo. Levar a mente a um lugar calmo e praticar meditação, em qualquer forma que seja adequada ao momento. No auge da fadiga profunda, a meditação pode ser muito difícil, mas não impossível. Às vezes, levo quatro horas para acalmar a mente e o corpo e conseguir desacelerar e ficar bem e equilibrada física e psicologicamente.

IMPORTANTE: tome cuidado para não usar o descanso como uma desculpa para procrastinar.  Basicamente, sair da cama pode ser um problema se eu ficar lá por muito tempo. Isso parece contraditório à minha história como uma pessoa ativa, mas essa é a natureza dos efeitos motores da distonia. Uma vez que levantei da cama, eu me forço a fazer atividade física, seguida de um breve descanso e depois algum tipo de tarefa mental.  Há sempre alguma dificuldade a superar… levantar da cama é somente uma delas – mas o resto é absolutamente necessário para parar a fadiga profunda.

A palavra de ordem para quem tem distonia é movimento, então levanta e movimente-se!


            Este conteúdo é de cunho pessoal, mas, algumas informações para complemento deste texto foram retiradas da fonte: Minha Vida

 

 

Postado em Minha Vida, Sem categoria por Administradora

Deixe um Comentario