Investigadores financiados pelo DMRF avaliam AZD1446 como possível droga de distonia

20 de fevereiro de 2018

DMRF e Cure Dystonia Agora, apoiaram, conjuntamente, uma pesquisa para explorar se um medicamento chamado AZD1446, que poderia potencialmente proporcionar alívio para pacientes com distonia com menos efeitos colaterais do que os medicamentos existentes. Embora o AZD1446 não demonstrou efeitos terapêuticos em animais e células da distonia DYT1, a investigação produziu achados importantes.

Os experimentos verificaram que a distonia está associada à sinalização do neurônio anormal no estriado, parte do gânglio basal no fundo do cérebro. Esta atividade anormal causa um desequilíbrio de dois neurotransmissores críticos para o controle muscular: dopamina e acetilcolina. O AZD1446 pertence a uma classe de drogas chamadas agonistas nicotínicos.

  • O que é Agonista Nicotínico? É qualquer substância que imita a ação da acetilcolina (ACh) nos receptores de acetilcolina (nAChRs). O nAChR, um acrônimo para o receptor nicotínico de acetilcolina em inglês, é nomeado por sua afinidade com a nicotina . Entre os agonistas nicotínicos estão, além da própria nicotina, a acetilcolina – agonista endógeno de receptores nicotínicos de acetilcolina – colina , epibatidina, lobelina, vareniclina e cisteína. Devido ao papel dos receptores nAChR na transmissão de sinais no sistema nervoso, os agonistas nicotínicos usam como drogas.

Essas drogas imitam a ação da acetilcolina no cérebro. Enquanto os dados indicam que o AZD1446 não é um candidato particularmente promissor para o desenvolvimento como tratamento para a distonia DYT1, os agentes nicotínicos parecem ter potencial. O estudo sugere que os agentes nicotínicos devem continuar a ser estudados para ajudar a compreender melhor a distonia e identificar novas terapias.

A distonia DYT1, geralmente começa em torno de 10 anos com a torção de um pé ou braço. Os sintomas tendem a progredir para envolver membros adicionais e o tronco. Os sintomas tendem a ser menos graves, mais tarde, eles começam na mão ou braço. Cerca de 30% dos indivíduos que possuem a mutação genética DYT1 desenvolverão distonia. Se uma pessoa não manifesta sintomas antes dos 28 anos de idade, eles geralmente permanecerão sem sintomas no decorrer da vida, mesmo que tenham a mutação DYT1.

A pesquisa foi liderada pelo Dr. Antonio Pisani, MD, PhD, Universidade de Roma Tor Vergata (Itália) e David Standaert, MD, PhD, Universidade do Alabama Birmingham.

Zimmerman, CN, Eskow Jaunarajs KL, Meringolo M, et al. Avaliação do AZD1446 como terapêutico na distonia DYT1. Frente. Syst. Neurosci., 13 de junho de 2017.

Credito do Artigo republicado é do  DMRF Dystonia Dialogue, em 2017. Volume 40, nº 3.

 

Postado em Blog, Noticia, Pesquisa, Pesquisas por Nilde Soares

Deixe um Comentario