A Doença
A distonia é uma doença que exige um profissional com conhecimento especifico em Distúrbios do Movimento.
Tratamentos
Para tratar é preciso confiar em seu médico. A sua relação com o profissional que você vai entregar a sua saúde precisa ser de confiança.
Exames
Que podem diagnosticar a Distonia são: a eletroneuromiografia, de sangue, de urina e análise do líquido cefalorraquidiano.
21 de fevereiro de 2017

O que é Ansiedade? Ansiedade é a apreensão, incerteza e medo que uma pessoa sente quando está antecipando um evento ou situação ameaçadora, quer a ameaça seja real ou imaginada. Ter distonia certamente pode fazer com que você fique ansioso(a), e por vezes a ansiedade atinge um grau que as atividades familiares e diárias se tornam intoleráveis. Se a ansiedade supera a capacidade de um indivíduo a tal ponto que faz com que ele não consiga ter controle sobre sí, um transtorno de ansiedade pode estar presente. Indivíduos com distonia devem estar cientes de sua ansiedade e procurar tratamento profissional antes de seu desconforto emocional chegar a um nível insuportável.

O que é Transtorno de Ansiedade? Um transtorno de ansiedade é uma condição psiquiátrica em que:

  • A apreensão normal (como dirigir à noite em um bairro estranho) é aumentada até o ponto de pânico ou terror;
  • O medo atinge de repente quando nenhuma ameaça está presente, mesmo em um ambi

Postado em Blog por Nilde Soares
21 de fevereiro de 2017

É quase inevitável para quem tem distonia.

Embora a depressão seja comum em pessoas com distonia, ela nunca deve ser aceita como uma reação aceitável ou “normal” à distonia. Existem muitas formas de depressão, e os sintomas devem ser sempre avaliados como uma condição médica distinta – não apenas um subproduto de ter uma doença crônica ou deficiência. Há esperança e ajuda disponível de muitas fontes. Ter deficiência e depressão é quase normal para quem tenta levar uma vida normal com distonia, a batalha é difícil, especialmente se os fatores de risco para a depressão já estão presentes. Esses fatores de risco incluem:

  • História familiar de depressão;
  • Estresses extremos (incluindo o estresse doméstico e financeiro);
  • Um histórico de depressão recorrente ou distonia progressiva;
  • Aumento da incapacidade.

Mesmo distonia pacientes sem qualquer fatores de risco anteriores freqüentemente sofrem de depressão clínica. Em nenhum lugar é mais importante para as pessoas a serem tratadas tanto para a saúde física e e

Postado em Blog por Nilde Soares
21 de fevereiro de 2017

O desespero beira o insuportável. A cada dia, o sofrimento – físico ou emocional – fica mais intenso e viver torna-se um fardo pesado e angustiante. Sua dor parece incomunicável; por mais que você tente expressar a tristeza que sente, ninguém parece escutá-lo ou compreendê-lo. A vida perde o sentido. O mundo ao seu redor fica insosso. Você sonha com a possibilidade de fechar os olhos e acordar num mundo totalmente diferente, no qual suas necessidades sejam saciadas e você se sinta outra (o). Será que a morte é o passaporte para essa nova vida?

Atire a primeira pedra quem nunca pensou em morrer para escapar de uma sensação de dor ou de impotência extremas. Parece comum ao ser humano experimentar, pelo menos uma vez na vida, um momento de profundo desespero e de grande falta de esperança. Os adjetivos são mesmo esses: extremo, insuportável, profundo. Mas, aos poucos, os seus sentimentos e idéias se reorganizam. Suas experiências cotidianas passam a fazer sentido novamente, e você consegue restabel

Postado em Blog por Nilde Soares